A prisão do amor livre

 

A prisão do amor livre

Enjaulou meu coração

Em uma ala longe da sua

Amarrou minhas mãos

Prenhes de versos

Frente à maquina de escrever

Prendeu meu riso solto

Acordou meus sonhos

Por estar com insônia

Se virou  adormeceu

A distância do corpo amado

Agora é milimetrado

Abraço é cronometrado

E vira campo minado

Para cupido desavisado

Tem muito amor líquido

Morrendo afogado

Ou morrendo de medo

Amor sem liberdade

É apego e vaidade

E até ser bom o amor

Não tem que ser tão ruim

Pois se esse amor

Fosse mesmo livre

Ele voaria para mim

 

Marina Mara