Fluir
Quero sentir seiva

Circulando nas veias
E que minhas madeixas

Farfalhem na brisa

Como folhagens
Quero me deixar levar

Pela ventania e penetrar

Na festa que fazem

As folhas do outono no ar
Quero ser uma flor caindo

Na correnteza de um rio
Dançando entre pedras

E galhos com a sutileza da bailarina
Quero ser o olhar para deslizar

Pelas linhas de um poema
Num emaranhado de

Pensamentos e sensações

De alguém que

Transcreveu o seu pulsar
Quero abrir as janelas

Da essência da vida

E fechar as portas
Para que nada

Me possa escapar
Quero que na realidade

Ppara onde viajo

Ao adormecer
Eu seja bicho para

Me sentir parte desse

Tão sublime espetáculo
Chamado natureza