Tarja


o sol tatuava

uma tarja dourada
em meus olhos

quando pelo espelho
vi a estrada

se afunilando
e de tão estreita

foi engolindo
o caminho de volta

ao seu colo,
a sua companhia

e também a tarde
só não devorou

meus olhos

por piedade
pois quando

a saudade incomodar
é para o mesmo espelho

que vou olhar
não pra lembrar

de sua estrada
mas de sua

essência que colore
minha íris quando chovo
mesmo da outra

ponta do arco