Jeitinho brasileiro

O tal jeitinho brasileiro
Que era nossa mandinga
De resistência à opressão
Para driblar a desigualdade
Virou sinônimo da relação
Entre o malandro e o mané
O opressor e o oprimido
Que se declaram contra
Essa tal corrupção
Seja lá o que isso for
Mas enquanto google
Para saber o significado
Estacionarei meu carro
Na vaga de deficiente
Só por um minutinho
Tem um brother na fila
Na qual mané tá desde ontem
Que vai me comprar meia
Com a carteirinha do curso
Que não curso e nem cursei
Voltei pra casa de boa
Raqueei o wi-fi do vizinho
E li o que é corrupção
Aquela carapuça meu serviu
Como impulso para ser melhor
Como pessoa e como nação
E me lembrei do Gurulino
Da passarela do Eixão
Que me questionava:
“Você votaria em você
Na próxima eleição?”