Garage seio

Venderam meu país
Com todo mundo dentro
Pro Tio Sam foi o Pré-sal
E o povo para experimento
Comendo veneno à mesa
Quando lá há refeição
E parindo seus rebentos
Com má formação
O corpo da mulher
Virou massa de manobra
Desde a falácia de Adão
Que por conta de uma cobra
Nos reduziu a uma só costela
Quando somos é constelação
Nos deram espelhos com antenas
E doente ficou a vista e o coração
Por se achar branco no Brasil
E imitar a gringa da televisão
A culpa não é do mosquito
A culpa não é da vítima
A culpa não é do pobre
A zica vem dessa corja
Que se intitula nobre
Sendo na verdade
O nosso algoz
Mas enquanto
A mídia encobre
O povo vai pra rua
E agora com uma só voz